Ministério da Saúde - MS
Secretaria de Atenção à Saúde - SAS
Departamento de Atenção Básica - DAB

 

Brasil Sorridente

Diretrizes Clínicas para a APS


As diretrizes buscam estimular o desenvolvimento, a disseminação e a promoção do acesso às recomendações baseadas em evidências científicas, para favorecer as melhores decisões na escolha do tratamento e da prática a serem aplicados por cirurgiões-dentistas da Atenção Primária. A iniciativa governamental envolve pesquisadores, cirurgiões-dentistas e gestores na elaboração de recomendações para a prática clínica. Esse processo envolve diversos temas no âmbito do atendimento à saúde bucal.

Em 2022 o Ministério da Saúde, em colaboração com a Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), por meio do Global Observatory for Dental Care - GODeC, assumiu o compromisso de publicar 22 diretrizes clínicas, com temas distintos, produzidas com rigor metodológico e participação de especialistas da área.

São 22 Diretrizes Clínicas para a APS, com 5 disponíveis preliminarmente, 2 submetidas a consultas públicas (Avaliação de Lesões Potencialmente Malignas e Manejo de Lesões Profundas de Cárie) e o título Tratamento Odontológico à Gestante já publicado nas versões resumida e estendida.

Confira:
Participe das consultas públicas da Saúde Bucal
  1. Avaliação de Lesões Potencialmente Malignas
  2. Manejo de Lesões Profundas de Cárie
Como é construída uma diretriz?
Etapas:
  1. O Departamento de Saúde da Família do Ministério da Saúde, por meio da Coordenação-Geral de Saúde Bucal, define os temas prioritários;
  2. A Global Observatory for Dental Care - GODeC, por meio de pesquisadores brasileiros da área, define as questões de pesquisa;
  3. A GODeC apresenta ao grupo de especialistas brasileiros, composto por gestores, pesquisadores e profissionais da saúde. Em seguida há discussão, usando métodos das matrizes GRADE ou ADAPTE;
  4. Produz-se consenso sobre definição de problemas e questões prioritárias, seguido de sistematização dos dados encontrados em cada questão;
  5. Fase de recomendações finais, de acordo com NÍVEL e FORÇA de evidências científicas;
  6. Consulta pública com gestores, pesquisadores, profissionais, usuários da saúde bucal no SUS;
  7. Produção e publicação do documento final.