facebook   flickr   youtube   
Buscar
   facebook   flickr   youtube   
  

facebook   flickr   youtube   
Ministério da Saúde - MS
Secretaria de Atenção à Saúde - SAS
Departamento de Atenção Básica - DAB

 

Cresce 46% procura por Práticas Integrativas e Complementares em Saúde no SUS

Data de publicação: 20/03/2019


O número de atividades coletivas, como yoga e tai chi chuan, aumentou nos últimos dois anos, passando de 216 mil para 315 mil, entre 2017 e 2018. Ao todo, são 29 práticas integrativas disponíveis no SUS


O uso das práticas integrativas no Sistema Único de Saúde (SUS) vem crescendo a cada ano, como complemento em tratamentos em saúde. Nas atividades coletivas, como yoga e tai chi chuan, o crescimento foi de 46%, passando de 216 mil para 315 mil, entre 2017 e 2018. Por isso, o Ministério da Saúde, a partir da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PNPIC), passou a ofertar um rol de 29 práticas integrativas. São atividades que podem ser feitas individual ou coletivamente.

A quantidade de procedimentos relacionados a essas práticas, como uma sessão individual de auriculoterapia ou uma sessão de atividade coletiva, registrada nos sistemas do SUS entre 2017 e 2018, mais que dobrou, passando de 157 mil para 355 mil, aumento de mais de 126%. O reflexo desse aumento também pode ser visto no quantitativo de participantes nessas atividades, que cresceu 36%, de 4,9 milhões de participantes para 6,67 milhões no período.

Quando o SUS começou a implementar a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde, em 2006, eram apenas cinco práticas disponíveis à população: medicina tradicional chinesa/acupuntura, homeopatia, medicina antroposófica, termalismo e fitoterapia. Atualmente esse rol conta com 29 práticas. Na última incorporação, o Ministério da Saúde adotou mais 14 práticas. Entre elas biodança, dança circular, musicoterapia, reiki, shantala, quiropraxia, yoga, entre outras.

As Práticas Integrativas e Complementares (PICS), como são chamadas no Brasil, são reconhecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Os documentos da OMS orientam os países a adoção dessas práticas nos seus sistemas nacionais de saúde. No Brasil, estas práticas foram reconhecidas e tiveram a ampliação solicitada no SUS em diversas Conferências Nacionais de Saúde, maior espaço representativo de gestores, trabalhadores e usuários. Além disso, diversos conselhos profissionais de saúde reconhecem e orientam o uso ético por seus profissionais, como enfermagem, odontologia, fisioterapia, farmácia, entre outros.

A indicação desse tratamento complementar, no SUS, ocorre no âmbito da Atenção Básica, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e também no atendimento especializado, nas unidades hospitalares e centros especializados. Além de ampliar a diversidade da oferta, o número de estabelecimentos que atuam nessa linha também deu um salto de 13%. Passou de 22.164 em 2017 para 25.197 estabelecimentos em 2018.

Os atendimentos podem ser individuais, quando realizados por profissionais de saúde com formação superior, que podem realizar a consulta ou a consulta mais algum procedimento no mesmo atendimento. Dependendo dos procedimentos, também podem ser realizados por profissionais capacitados de nível médio. A oferta dessas práticas não é obrigatória pelos municípios, pois depende também de profissionais capacitados.

Pesquisas - Práticas Integrativas e Complementares

Diversas plataformas de estudos científicos como a Cochrane e o Pubmed trazem os benefícios das práticas integrativas, por exemplo, como complemento das ações de saúde. Há Estudos de revisões sistemáticas, por exemplo, sobre o uso da meditação para redução de risco cardiovascular e até para melhorar casos de depressão.

Outras pesquisas mostram que as práticas complementam e trazem benefícios junto ao tratamento de câncer de mama. E ainda estudos revelam o benefício da acupuntura para melhora da dor em casos de fibromialgia.

Acesse aqui a página temática das Práticas Integrativas do MS 

Para saber mais consulte as pesquisas abaixo.

Meditação em movimento:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30071662

Clinical practice guidelines on the use of integrative therapies as supportive care in patients treated for breast cancer
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25749602

Meditation and Cardiovascular Risk Reduction
https://www.ahajournals.org/doi/full/10.1161/JAHA.117.002218

The Effectiveness of Aromatherapy for Depressive Symptoms: A Systematic Review
https://www.hindawi.com/journals/ecam/2017/5869315/?fbclid=IwAR1M4nAksDvhB9-NscRjRNvrCUE0c9gt1TbWtju7ZYykU96icJEYItZ2fJo

Acupuncture therapy for fibromyalgia: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30787631

Blood Pressure Response to Meditation and Yoga: A Systematic Review and Meta-Analysis
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28384004/

Fonte: Ministério da Saúde


Fonte: - Autor(es): -