facebook   flickr   youtube   
Buscar
   facebook   flickr   youtube   
  

facebook   flickr   youtube   
Ministério da Saúde - MS
Secretaria de Atenção à Saúde - SAS
Departamento de Atenção Básica - DAB

 

PICS é tema de Seminário na Câmara dos Deputados

Data de publicação: 27/10/2017


O evento foi organizado pela Comissão de Seguridade Social e Família em conjunto com a Frente Parlamentar Mista de Práticas Integrativas em Saúde


A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde (SUS) e nas Américas foi tema do 1º Seminário de Medicinas Tradicionais da Câmara dos Deputados, nesta quinta-feira (26). Além dos desafios e avanços da política, o campo de trabalho e a formação na área também foram debatidos.

O evento foi organizado pela Comissão de Seguridade Social e Família em conjunto com a Frente Parlamentar Mista de Práticas Integrativas em Saúde e a Frente Parlamentar Mista de Educação. O diretor do Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde, João Salame Neto, falou sobre o apoio que a pasta tem dado as PICS.

“Estou aqui para reforçar o apoio que o ministro Ricardo Barros têm destinado ao tema, ainda mais agora com a criação da Coordenação das Práticas Integrativas e Complementares. Ainda exploramos pouco o que a nossas florestas produzem, o que a sabedoria popular nos entrega. A política visa justamente caminhar nessa direção de resgate das medicinas tradicionais”, explicou o dirigente.

Um desafios da frente é divulgar e sensibilizar os gestores, trabalhadores e cidadãos sobre as PICS. O coordenador da área no DAB, Daniel Amado, apresentou histórico do trabalho realizado nos últimos anos. “É importante lembrarmos que a construção da PNPIC nasce junto com as diretrizes do SUS na 8ª Conferência Nacional de Saúde, mas foi instituída em 2006. Muito se avançou na última década e, partir dos dados do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) e do Sistema de Informação em Saúde da Atenção Básica (SISAB), neste ano, o ministério reconheceu as práticas que já eram realizadas no território e ampliou a oferta das práticas”, afirmou Amado.

Também foi discutido no evento o paradigma de cuidado, a ampliação do acesso às PICS no SUS, a integração com a Rede de Atenção à Saúde, capacitação de profissionais de saúde para atendimento das práticas, garantia dos medicamentos e insumos estratégicos para o trabalho.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) utiliza o termo medicina tradicional e complementar/alternativa para englobar sistemas médicos complexos e recursos terapêuticos diferenciados, que envolvem abordagens para estimular mecanismos naturais de prevenção de agravos e recuperação da saúde.

Entenda mais sobre as PICS
A Portaria nº 849/2017 ampliou os procedimentos oferecidos pelo SUS para 19 práticas: fitoterapia, acupuntura/auriculoterapia, homeopatia, Medicina antroposófica, termalismo/crenoterapia arteterapia, ayurveda, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturopatia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, Reiki, Shantala, terapia comunitária integrativa e yoga

As Práticas Integrativas e Complementares em Saúde estão integradas em um sistema público de saúde (SUS), diferente da maior parte dos países. As Práticas estão prioritariamente na Atenção Básica, mas também em todos os pontos da Rede de Atenção à Saúde. A oferta dos serviços é realizada de forma multiprofissional.

De acordo com os dados do SISAB, de janeiro a dezembro de 2016, 3.018 municípios (54%) realizaram mais de dois milhões de atendimentos individuais e mais de 200 milhões de atividades coletivas. A oferta de PICS está presente em 100% das capitais.

Fotos

 

1º Seminário de Medicinas Tradicionais da Câmara dos Deputados
Fonte: - Autor(es): -