facebook   flickr   youtube   
Buscar
   facebook   flickr   youtube   
  

facebook   flickr   youtube   
Ministério da Saúde - MS
Secretaria de Atenção à Saúde - SAS
Departamento de Atenção Básica - DAB

 

Hoje é dia de mobilização nas UBS contra o Aedes aegypti

Data de publicação: 07/04/2017


Nesta Sexta Sem Mosquito, profissionais da Atenção Básica se unem para vistoriar as Unidades Básicas de Saúde em que trabalham


No dia Mundial da Saúde a comemoração é pela luta contra o mosquito. Nesta sexta-feira (7), em todas as Unidades Básica de Saúde (UBS) do país, os profissionais da Atenção Básica se juntam para combater os focos Aedes aegypti nos prédios e orientar a população sobre medidas de prevenção.

A mobilização de hoje faz parte um conjunto de ações do Ministério da Saúde (MS). “É muito importante lembrarmos que a eliminação de criadouros do mosquito depende de nós. A tarefa de inspecionar a casa se estende ao trabalho. Essa vigilância tem que ser incorporada a nossa rotina para diminuirmos o aumento das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti”, pondera Allan Sousa, diretor do Departamento de Atenção Básica.

O mosquito Aedes pode transmitir dengue, Chikungunya e o vírus Zika. Ontem, a coordenadora do Programa de Dengue do MS, Cristiane Pujol, falou sobre as principais medidas para o combate em uma transmissão ao vivo pelo Facebook.

“Antigamente, as larvas somente se desenvolviam em água limpa e sombreada. Hoje, depois de se adaptarem, conseguem se proliferar em água suja e fossas. Por isso, é muito importante que ao eliminar criadouros do mosquito não jogue fora em pias, ralos ou vaso sanitário. As larvas podem não morrer, se desenvolvem e chegam a fase do mosquito adulto. O ideal é jogar no jardim, na terra, areia.”, explicou Cristiane Pujol.

Vistoria na UBS

  • Cada local precisa ser inspecionado em busca de focos do mosquito Aedes aegypti e seus criadouros.

  • Verifique caixas, reservatórios e depósitos de água e assegue que estejam ou que sejam limpos e lacrados;

  • Olhe lajes, calhas, lonas de cobertura, depósitos de materiais e banheiros desativados para desobstrução, limpeza e eliminação do acúmulo de água;

  • Tenha cuidados especiais com sacos de lixo, copinhos de plástico e outros materiais que possam acumular água;

  • Registre em todas as inspeções possíveis focos de larvas e mosquitos e, imediatamente, elimine;

  • Ao final do dia, deve ser realizado um balanço e registro da “faxina”, anotando cuidadosamente as medidas de monitoramento e de sustentabilidade para que cada ambiente continue limpo, seguro e livre do Aedes aegypti.

 

Diretrizes para Fortalecimento das Medidas de Prevenção e Eliminação de focos de Aedes aegypti nas dependências das Unidades de Saúde e demais locais de trabalho

Dia 7 de abril comemora-se o Dia Mundial da Saúde, uma data criada com a finalidade de conscientizar a população a respeito dos vários aspectos que envolvem a saúde. Neste ano, a data coincide com a sexta-feira de mobilização para eliminação de focos e possíveis criadouros de larvas, tema da Campanha Nacional de Combate ao Mosquito.

Considerando a situação de saúde pública relacionada às doenças cujo vetor é o mosquito Aedes aegypti, o Ministério da Saúde em conjunto com o Conselho dos Secretários Municipais de Saúde (CONASEMS) e o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), propõe uma mobilização intensa e contínua dos gestores e trabalhadores de todas as esferas da gestão do SUS.

Para fortalecer este processo nesta data, em especial, sugerimos o envolvimento de todas as unidades de saúde, com ações educativas, de promoção e de mobilização cisando à eliminação do vetor, e para tanto propõe as seguintes diretrizes:

I. As medidas de prevenção e eliminação de focos do Aedes aegypti no âmbito dos locais de trabalho serão de caráter permanente, integradas às rotinas de trabalho de cada órgão, em especial nesta data.

II. As medidas de prevenção e eliminação de focos de Aedes aegypti podem ser desenvolvidas nas dependências de todas as unidades de saúde e em demais locais de trabalho, compreendendo as unidades assistenciais, educacionais, assistência social, administrativas dentre outras.

III. Sugere-se que as ações de prevenção e eliminação de focos do Aedes aegypti sejam desenvolvidas de modo transversal , com metodologia integrada, participativa, reflexiva e crítica e com adoção de estratégias e ferramentas de gestão, educação e comunicação em saúde, com troca de experiências e planejamento participativo das ações.

IV. Recomenda-se que as ações sejam desenvolvidas pelos gestores e trabalhadores do SUS vinculados à gestão federal, estadual e municipal, com estratégias e ações de mobilização e educação para o combate ao Aedes aegypti, por meio do engajamento ativo e permanente.

V. As ações educativas de combate ao Aedes aegypti devem ser desenvolvidas de acordo com os princípios e diretrizes das políticas de educação Permanente e de Educação Popular em Saúde.

VI. Sugere-se a organização de coletivos de trabalhadores em cada unidade ou local de trabalho para as ações de comunicação, mobilização e educação para o combate ao Aedes aegypti.

VII. Deve-se buscar estimular a adoção de medidas de educação em saúde e de controle do Aedes aegypti nos demais órgãos e espaços públicos, além do setor de saúde.


Fonte: - Autor(es): -